6 de mar de 2010

Espelho

.
 
O que, afinal, atrai a tua atenção, solitário animal? Acaso contemplas coisa para afocinhar e a fome saciar? Ou, sendo um macho, como parece, ao invés de comida, é uma fêmea que te apetece? Mas cuido que o teu rabo, rebaixado, revela um medo de cão. Então pressentes a carrocinha e a possibilidade de virar sabão? Tuas orelhas abaixadas, contrapondo-se à cabeça altiva, intriga. Afinal, o que tanto miras? Que mistério escondes no teu olhar?

Amplio-te os olhos. Tuas pupilas, estas lentes distorcidas, bem de perto, desvelam o enigma. Miro agora o que miras. Elucido-te. Flagro-te espelhando uma imagem estranha, uma figura burlesca, ou de magia, talvez uma criatura humana, ao pé da escadaria. Sim, agora percebo completamente: o que vês, cachorrinho, e que te causa tamanha estranheza, não é uma Graia, mas uma mulher de certa beleza. Alta, de meia idade, usa um chapéu esquisito e berloques à vontade. E sendo fotógrafa competente, ela traz o rosto grudado numa engenhoca de clicar fremente. 


3 comentários:

Anônimo disse...

Nossa Brouo!! Estou apaixonada pelo Sergio..e agora??

beijos

Na Tália!

Anônimo disse...

Ah...isso acontece frequentemente.
Não se preocupe.
Brô

Lilian Honda disse...

Adorei este aqui! Foto e texto ornando, perfeitinhos ambos. Beijão pros dois.