18 de jan de 2011

O Ninho e o Lustre


O Primo e Único Concurso de MiniContos O Ninho e o Lustre contou com a participação de 7 pessoas, que enviaram 9 textos, de acordo com o edital que postei nos Comentários, representantes de 4 Estados da Federação e um planeta.


As premiações!!!

1º lugar

Como tudo estava mudado. Tudo! Nunca tinha visto nada igual. Mas ali era tão quentinho, iluminado. E só assim ele se convenceu. Então com cuidados redobrados, juntou, “palhou” e foi tecendo com muito cuidado o ninho e um telhado reforçado naquela árvore estranha que na escuridão da noite acendia um outro sol.
Autoria: Maria Izabel, paulistana


2º lugar


Coco Chanel


A codorna era gaga e muito sofria, por dizer-se cocodorna. As aves todas a subestimavam, inclusive as codornas que não eram gagas e não tinham cocô no nome.
Ocorreu, então, ao triste bichinho, isolar-se nas alturas, fazendo seu ninho num exótico lustre.
Tão belo era o castelo, que passaram todos a reverenciá-la como sua ilustre soberana. E Coco passou a ditar moda.
Autoria: Rosita Prates, a gaúcha


3º lugar


Azulou


O ninho tinha paredes de cristal. Era o único ninho com paredes de cristal das redondezas.
Um verdadeiro luxo passarinhesco de Murano. Todo mundo se admirava da boniteza do azul do ninho.
O que ninguém sabia é que o ninho, com toda a sua apoteose joãozinho trinta, era um pobre dum ninho triste.
Não adiantou de nada o bem-te-vi fazer das tripas coração...
A bem-te-via, aquela cega por aventuras, fugiu pra ilha da Madeira com um picapau playboy.
Autoria: Graça Craidy, a gaúcha


Menção Honrosa


Parecera, então, uma ótima idéia!
Local abrigado, seguro, fora de áreas de risco, daquelas que são levadas pelas chuvas do carnaval.
Ademais, sua forma e material construtivo, à semelhança de um exoesqueleto, protegeriam sua prole e a si mesmo das investidas de feras predadoras – Bro entre elas.
Visão privilegiada, iluminação interna para facilitar a alimentação e catação de parasitas, aquecimento para manter seco o ninho, ajudando a embalar os pequenos, completavam o quadro.
Até a pequena abertura, que serviria de entrada, situava-se perfeitamente para evitar os constantes ventos que vinham pelo lado oposto.
Além dos aspectos técnicos, consideraram – ela e seu parceiro – a beleza exótica e singular, incomum às moradas que, até então, haviam conhecido.
Analisados todos os aspectos, e tendo decidido pela conveniência, partiram para a construção, que foi incrivelmente mais rápida do que todos os outros ninhos anteriormente construídos. O principal motivo: com a iluminação, puderam trabalhar mesmo após o por do sol, durante um período extra que fez importante diferença. É certo que se sentiram mais cansados do que normalmente se sentiriam, o que de certa forma contribuíra para algumas rusgas e altercações, mas nada digno de grandes preocupações acreditaram.
Com a chegada dos pimpolhos, num primeiro momento, verdadeiros monstrinhos pelados e de grandes olhos desproporcionais, a rotina da alimentação e higiene seguira seu curso natural, ou quase, porque a iluminação artificial teimava em acrescentar tempo ao dia,... Dia após dia.
As brigas entre os parceiros aumentavam, bem como entre irmãos, que assim que puderam abrir os olhos, entraram em disputas infindáveis combatendo constantemente. A irritação subia a níveis insuportáveis, e não cedia nem mesmo após o sono, que em verdade fora reduzido pelos períodos de claridade extra.
O fato é que, a família se desintegrou. Estabeleceu-se um conflito tão grande que os filhotes abandonaram o ninho precocemente, ansiando por se afastar dos pais e irmãos. Os próprios parceiros abandonaram a vivenda, e nunca mais foram vistos juntos, apesar de sua espécie ser conhecida por formar casais, ditos, eternos.
Restaram o ninho e o lustre... Como restam até hoje.
Apesar de tudo, pode-se dizer que aquele foi um ninho iluminado.
Autoria: Álien Brasil, Editora Marte com sede nos Montes Hellespontus
na região da cratera de Hellas Basin, em Marte.

Um comentário:

Adriana Gragnani disse...

Edital do Primo e Único Concurso de minicontos O Ninho e o Lustre
Pessoas amigas e pacientes
Depois do Primo e Único Concurso Balada para uma Casa Torta - cujo prêmio foi um hamburguer do Podrão - resultado pode ser encontrado abaixo, lanço o Primo e Único Concurso de Mini Conto O Ninho e o Lustre.
Os trabalhos deverão ter como inspiração a photo existente nAs Gavetas - http://asgavetas.blogspot.com/2011/01/o-ninho-e-o-lustre.html
Após o sucesso do último Primo e Único Concurso Balada para uma Casa Torta, que gerou a produção de 11 poesias por 11 mulheres, este Primo e Único Concurso de Mini Conto O Ninho e o Lustre premiará 3 produções da modalidade explicitada no nome do evento.
Aos/às participantes faculta-se o envio de até 2 mini contos - usando-se pseudônimo para assinar - que não poderá - cada um deles - superar meia folha de papel A4, espaço 1, não sei quantos caracteres. Ou seja, será mini e este o critério para a eliminação: não ser mini.
A votação se dará entre todos/as participantes, dispensando-se, desta forma, uma comissão julgadora.
Estão previstas 3 premiações:
1º lugar - uma dúzia de ovos de codorna
2º lugar - 1/2 dúzia de ovos de codorna
3º lugar - 3 ovos de codorna
O prazo fatal para entrega final: domingo de carnaval.
Os trabalhos deverão ser encaminhados ao meu endereço eletrônico:
adriana.gragnani@uol.com.br
Participe, divulgue! tente ganhar!!!
Adriana, a idealizadora, produtora, premiadora, divulgadora