25 de set de 2014

Lembranças

Num dia qualquer, a gente pega uma peça qualquer de qualquer mãe nascida na década de 20 do século XX. Uma peça talvez nunca usada, mas de uma beleza qualquer. Um envelope para abrigar um pé de qualquer taça de cristal. Uma peça de um enxoval qualquer, que conserva sonhos quaisquer de mulheres quaisquer que se tornaram mães quaisquer de quaisquer filhas, que conservam lembranças em envelopes quaisquer.

Um comentário:

Maria Izabel disse...

Amém às mães e a essas filhas todas sempre mulheres, de todos os séculos