18 de abr de 2010

Moto Perpétuo

















Apura teus ouvidos e olhos. Semelha a um cadáver – a face pálida e longa, as bochechas ocas, olhos parecendo carvões flamejantes, uma ferocidade reforçada por um sorriso sardônico, de deboche. Jamais foi observado fazendo treinamentos ou ensaios. Ao apresentar-se, o rosto esquálido contorce-se, os cabelos negros cacheados agitam-se, e o arco do violino executa movimentos inalcançáveis, num gestual impetuoso e agressivo, atribuído aos demônios que o acompanham. Sim. Teria feito um pacto com Satanás para poder tocar dessa maneira, e as cordas de seu violino são confeccionadas com os próprios cabelos do Diabo. Desperta temor e terror onde quer que se apresente. Sua mais fantástica proeza: tocar com uma única corda. A tísica o devasta. Recusa os sacramentos finais, e a Igreja, com todo o direito, nega-lhe enterro em campo santo. E então? Sabe por que não podes divisar a silhueta maligna de Niccolò Paganini no fundo da escuridão do aposento, observando, com olhos flamejantes, o instrumento tomando ar fresco na janela? Porque o Violinista Maldito não permitia o seu instrumento respirar. Mesmo que o violino exausto se disfarçasse em um cello.

Um comentário:

Graca Craidy disse...

comovente, encantador, pungente, lindo! hanninho e bro-bro....uh!